hare krishna hare krishna krishna krishna hare hare hare rama hare rama rama rama hare hare

Todas as Glórias a Sri Guru e Sri Gauranga

Nitai Gaura Hari Bol

Sobre o

Bhagavad-gita

 

 

A Versão Condensada Completa

do

"Bhagavad-gita Como Ele É"

de

Sua Divina Graça
Sri Srimad Bhaktivedanta Swami Maharaj Prabhupada
Paramahamsa Thakura Mahashaya

 

Está no Link:

"Bhagavad-gita Como Ele É"

 

 

Todas as Glórias a Sri Guru e Sri Gauranga

Nitai Gaura Hari Bol

Versão Condensada

do

"Bhagavad-gita As It Is"

"Bhagavad-gita Como Ele É"

(Original Sem "Correções")

de

Sua Divina Graça
Sri Srimad Bhaktivedanta Swami Maharaj Prabhupada
Paramahamsa Thakura Mahashaya

 

[Pronúncia em português: Bhagavad-gita = "bagavá guita"]

 

 

Todas as Glórias a Sri Guru e Sri Gauranga

Nitai Gaura Hari Bol

Sua Divina Graça
Sri Srimad Bhaktivedanta Swami Maharaj Prabhupada
Paramahamsa Thakura Mahashaya

Fundador Acharya da Sociedade Internacional
para a Consciência de Krishna

Autor do Livro mundialmente famoso

"O Bhagavad-gita como Ele é"

 

"Bhagavad-gita Como Ele É"

 

Versão em Português
Visvavandya Dasa
São Paulo - SP - Brasil
http://www.nitaigaura.com.br

 

 

Todas as Glórias a Sri Guru e Sri Gauranga

Nitai Gaura Hari Bol

 

Observação:
O Bhagavad-gita Como Ele É de Sua Divina Graça Sri Srimad Bhaktivedanta Swami Maharaj Prabhupada Paramahamsa Thakura Mahashaya (Original Sem "Correções") está no link Bhagavad-gita Como Ele É.

 

"Bhagavad-gita Como Ele É"

 

Bhagavad-gita Como Ele É

(Original Sem "Correções")

Sridham Kurukshetra

de

Sua Divina Graça
Sri Srimad Bhaktivedanta Swami Maharaj Prabhupada
Paramahamsa Thakura Mahashaya

Prabhupada com os Livros transcendentais

"Bhagavad-gita Como Ele É"

 

 

Todas as Glórias a Sri Guru e Sri Gauranga

Nitai Gaura Hari Bol

 

 

Sobre o Bhagavad-gita

por

Srila Bhaktirakshaka Sridhara Deva Goswami Maharaja Prabhupada

Invocação

Meditação no Sri Gita

Ó Bhagavad-gita, cantado pelo Supremo Senhor em pessoa, Você é o doador da iluminação de Arjuna. Você foi entrelaçado dentro da escritura Mahabharata de Srila Vyasadeva, o escritor dos Puranas. Em dezoito capítulos, Você é a chuva de néctar que sempre jorra, e a potência todo-poderosa do Supremo Senhor que liberta o mundo material inteiro do sofrimento. Ó Mãe, eu A mantenho em meu coração para sempre.

Reverências a Srila Vyasadeva

Ó mestre com grande inteligência formidável, Srila Vyasadeva, cujos olhos parecem pétalas de flor de lótus desabrochada, e quem acendeu a lâmpada do conhecimento que foi abastecida com o óleo do Mahabharata; eu lhe ofereço minhas respeitosas reverências. Reverências aos pés de lótus do Senhor como cocheiro de Arjuna, ofereço minhas respeitosas reverências ao Supremo Senhor Sri Krishna, que satisfaz todos desejos de Seus devotos rendidos. Ele segura um bastão de cocheiro em uma mão enquanto a outra faz o gesto da instrução, e Ele é quem extrai o néctar do Gita.

A glória do Gita

As jóias supremas dos Vedas, os Upanishads, são como uma vaca, e quem ordenha a vaca é o Senhor Sri Krishna, o filho de Nanda Maharaja. Arjuna é o bezerro, o néctar do Gita é o leite, e os devotos virtuosos são os bebedores e apreciadores desse leite.

Reverências ao Senhor Sri Krishna

Presto minhas respeitosas reverências aos pés de lótus do Senhor Sri Krishna, que é o filho de Vasudeva, o aniquilador de demônios como Kamsa e Chanura, aquele que expande o êxtase divino da mãe Devaki, o Deus supremo de todos os deuses, e o guru de todo o universo.

O campo de batalha representado como um rio

O rio, cuja uma margem é Bhisma e a outra é Dronacharya; Jayadratha é a água, os filhos de Gandhari são as flores de lótus azuis, e Shalya é o crocodilo; Kripa é a correnteza, e Karna é a maré que sempre muda como enchente e vazante; Asvathama, Vikarna e companhia são os terríveis tubarões, e Duryodhana é o redemoinho; Sri Keshava é o pescador desse rio da batalha, que foi atravessado pelos irmãos Pandavas.

O Mahabharata como uma flor de lótus

As palavras de Sri Krishna Dwaipayana Vyasadeva, o filho de Parashara Muni, são uma flor de lótus pura. O significado do Gita é a fragrância de longo alcance desse lótus, e as várias narrações são seus talos. As revelações de harikatha, narrações sobre o Supremo Senhor, são o rio. Neste mundo, os devotos puros são as abelhas que estão constantemente absortas em beber o néctar dessa flor de lótus. Que esse lótus do Mahabharata, que é o aniquilador de todos os males desta era de Kali, bondosamente conceda boa ventura a todos nós.

Reverências ao Supremo Senhor

Presto minhas respeitosas reverências ao Supremo Senhor cujas glórias são louvadas com preces celestiais pelo Senhor Brahma, Senhor Varuna, Senhor Indra, Senhor Rudra, e os Maruts, e cujas glórias são recitadas pelos conhecedores do Sama-veda; cujas glórias são cantadas por todos os Vedas, junto com suas seis subdivisões subsidiárias e os Upanishads; que é visto dentro dos corações dos yogis absortos no transe da meditação, e cujas glórias infinitas não podem ser conhecidas, mesmo pelos deuses e demônios (Bhag. 12.13.1). Antes de recitar ou estudar as escrituras, deve-se prestar respeitosas reverências às encarnações do Senhor, Nara-Narayana Rishi de Badarikashrama, à Suprema Personalidade de Deus Sri Krishna, à deusa da palavra Sarasvati, e ao escritor das escrituras, Srila Vyasadeva.

 

Introdução

"Tesouro Oculto do Doce Absoluto"
de
Srila Bhaktirakshaka Sridhara Deva Goswami Maharaja Prabhupada

vande sri-guru-gaurangau, radha-govinda-sundarau
sa-gunau giyate catha, gita-gudhartha-gauravam

Prostro-me aos pés sagrados de Sri Guru, Sri Gauranga e Sri Sri Radha Govindasundara, todos acompanhados por Seus associados, eu cantarei a grande glória do tesouro oculto do Srimad Bhagavad-gita. O Srimad Bhagavad-gita é bem conhecido pelos sábios. Portanto, alguma explicação do procedimento adotado pelo editor desta edição tem que ser dada inicialmente. O editor pertence à escola de pensamento que descende da linha discipular de Sri Chaitanya Mahaprabhu. Distinguimos então que a edição presente é baseada nos comentários sobre o Sri Gita dados pelos proeminentes e exaltados Acharyas Gaudiya Vaishnava, Sri Visvanatha, Sri Baladeva e Srila Bhaktivinoda Thakura. Pela graça manifesta de nosso adorado mestre espiritual, Om Vishnupada Srila Bhaktisiddhanta Sarasvati Goswami Prabhupada, e das sugestões dadas pelos grandes devotos puros mencionados, que propagaram uma nova luz, para a expansão de significados mais profundos por todo o texto. O leitor devocional apreciará essa distinção particularmente ao notar o significado dos quatro versos (10.8-11) explicados por Sri Visvanathapada como os quatro versos essenciais do livro (chatuh-sloki).

Geralmente, Sri Gita é conhecido como um excelente estudo da ciência da religião. A linguagem do Sri Gita é simples e doce; seu humor é grave, extensivo e fundamental; seu pensamento é breve, distinto e imparcial; e sua lógica é idônea e natural. O prólogo, epílogo, exposição, recapitulação, análise, síntese e arte de apresentação do Sri Gita é sem precedente e encantadora ao extremo. Sri Gita é a ativação para o preguiçoso, coragem para o covarde, esperança para o desesperado, e uma nova vida para o moribundo. Sri Gita unifica e sustenta todas linhas, seja revolucionária, ocultista, otimista, renunciadora, liberalista, ou teísta completa. Desde o ateísta de visão grosseiramente bruta até o santo mais elevado, os conceitos essenciais de todas classes de filósofos são tratados com clareza e lógica substancial. Para o trabalhador lucrativo, o acadêmico e o praticante de yoga (karmi, jñani e yogi), e o devoto do Senhor encontrarão aqui a exposição compreensiva e esclarecedora sobre a substância de suas filosofias respectivas, e por isso o livro é altamente estimado por todos. Os ensinamentos essenciais dos Vedas e Upanishads dos arianos são explicados diretamente, e depois de um exame minucioso mais de perto, a essência de várias doutrinas não arianas também pode ser detectada no texto. Dentro do significado do Sri Gita, encontramos a purificação da consciência por meio da sabedoria que surge da realização não motivada materialmente de deveres estabelecidos nas escrituras, que resultam no conhecimento existencial do autoconhecimento absoluto, ou realização divina. Com maturidade plena, essa pura percepção imaculada culmina na busca por serviço amoroso com cognição pura, no reino divino extático.

Na análise de sambandha-jñana, ou conhecimento da relação divina, Sri Gita revelou que a natureza da verdade original mais pura é uma personalidade transcendental todo-consciente. Na análise de prayojana, ou o objetivo supremo, inspiração interior do amor puro na busca pela Realidade Absoluta Suprema é mencionada como a obtenção da perfeição. E na análise de abhidheya, ou método para obter o objetivo desejado, o primeiro estágio é revelado como oferecer as ações pessoais ao Supremo Senhor, seguido pelo cultivo do autoconhecimento interior, que surge de acordo com a realização progressiva do Senhor pela pessoa. Finalmente, por abandonar todos os outros esforços, a pessoa se rende exclusivamente ao Supremo Senhor, Sri Krishna. Em outras palavras, quando a pessoa se abriga na fé pura inabalável, fica situada em sua identidade divina perfeita e se dedica ao serviço amoroso divino do Senhor, que é o objetivo supremo de todas as práticas.

Sri Gita distinguiu e descreveu claramente as características de todos caminhos não devocionais baseados na ação (karma) e conhecimento (jñana) e seus objetos alcançáveis correspondentes de desfrute sensual (kama) e liberação (moksha). Portanto, o inteligente pode notar que pela afirmação, yo yac chraddhah sa eva sah, "a pessoa é identificada por sua fé específica", Sri Gita delineou uma comparação objetiva dos diferentes caminhos e seus objetivos, assim desarma e expõe aqueles que criam confusão por defenderem a especulação de que muitos caminhos e objetivos são "todos iguais". Sobre isso, os seguintes versos merecem atenção especial (6.46-47): tapasvibhyo 'dhiko yogi, jnanibhyo 'pi mato 'dhikah karmibhyas cadhiko yogi, tasmad yogi bhavarjuna yoginam api sarvesam, mad-gatenantaratmana sraddhavan bhajate yo mam, sa me yuktatamo matah. Tyaga ou renúncia é completamente condenada, e sua futilidade foi declarada com ênfase. Essa proclamação mostra a dádiva conclusiva intrínseca do Sri Gita. Karma-yoga, ou oferecimento das ações pessoais para o Supremo Senhor sem interesses provincianos, é preferível em vez de karma-tyaga, ou renúncia da ação, e finalmente, auto-entrega ao Supremo Senhor, Sri Krishna, com cada ação dedicada pela inspiração divina a Seu serviço amoroso é o definitivo e supremo ensinamento do Sri Gita. A pessoa verá que é o rei de todas escrituras e o doador da devoção mais elevada. Em sua natureza completa, essa devoção é o amor divino mais supremo, amor pela Suprema Personalidade todo-atrativa Sri Krishna, a Realidade o Belo.

Sarva-dharman parityajya, mam ekam saranam vraja, o grande, vibrante e ressoante chamado do Sri Gita proclamou as glórias do objetivo mais excelente da vida. Oculto, mais oculto, e o tesouro mais oculto é dado, desde o canto coletivo dos santos nomes do Senhor (sankirtana) até a devoção espontânea (bhava-seva) na vida de total dedicação ao cultivo da Consciência de Krishna com rendição exclusiva. Essa é a conclusão consistente e unânime do parampara puro, ou sucessão espiritual descendente, como corroborado pelos seguidores genuínos dos pés de lótus de Sri Chaitanyachandra, o Supremo Senhor original, que descende para libertar as almas caídas de Kali-yuga, esta era do ferro de disputa e briga.

Que esta edição possa ser uma oferenda ao Senhor Sri Krishna.

Swami B. R. Sridhar

Sri Chaitanya Sarasvata Matha

Nabadwip
(Bengala Ocidental Índia)

 

 

 

Todas as Glórias a Sri Guru e Sri Gauranga

Nitai Gaura Hari Bol

PRÓLOGO

Srimad Bhagavad-gita Mahatmyam

Um extrato da glorificação ao Bhagavad-gita

A glória do Bhagavad-gita

1. Para começar, presto minhas reverências ao Senhor Supremo Sri Krishna, que aceitou a posição de cocheiro de Arjuna, somente para distribuir a ambrosia do Bhagavad-gita para o beneficio dos três mundos.

2. Quem quiser atravessar o horrível oceano dos sofrimentos materiais pode fazê-lo facilmente por se refugiar no barco do Bhagavad-gita.

3. Por isso, deve-se respeitar o Bhagavad-gita em todo tempo e lugar como o inaugurador da sabedoria religiosa e a imaculada essência de todas as escrituras sagradas.

4. Aquele que ouve atentamente e canta as glórias da mensagem do Bhagavad-gita, ou explica esta mensagem a outros, atinge o destino Supremo.

5. A miséria causada por magia negra e maldições nunca pode entrar em uma casa onde se adora o Bhagavad-gita.

6. Assim, com o conhecimento do Bhagavad-gita, o coração se purifica. Em uma escala de dezoito capítulos, rejeita-se toda doutrina que propõe a satisfação sensual e a liberação impessoal. As qualificações para a ocupação no serviço devocional amoroso se desenvolvem passo a passo.

7. Aquele que no momento da morte se lembra de metade do Bhagavad-gita, um quarto, um capítulo, ou até um só verso, atinge o destino Supremo.

8. Com grande êxtase, o Senhor Supremo Sri Krishna e Sua Companheira Divina, Sri Radhika, estão presentes misericordiosamente em qualquer lugar onde se discute, estuda ou ensina a concepção do Bhagavad-gita.

 

 

Todas as Glórias a Sri Guru e Sri Gauranga

Nitai Gaura Hari Bol

PREFÁCIO

O Bhagavad-gita é um Capítulo do Mahabharata, ou seja, a essência do Mahabharata, e de todo Conhecimento Transcendental. São as Instruções de Krishna para Seu devoto querido Arjuna, bem no início da famosa Batalha de Kurukshetra. Krishna, pelo Seu poder divino, resume toda Verdade Absoluta nos setecentos versos do Bhagavad-gita para o bem de todo o universo.

No começo da Batalha, nesse momento, quando Arjuna viu os homens reunidos em ambos os lados para matança mútua, pelo desejo de Krishna, ele ficou muito comovido e confuso. Então, Krishna falou com ele, Suas famosas Instruções Eternas, para remover sua ansiedade e acabar com suas dúvidas.

Os Ensinamentos Divinos de Krishna para Arjuna nesse momento são o Srimad Bhagavad-gita, onde o Supremo Senhor, Sri Krishna, manifesta Sua misericórdia magnânima para o benefício de todo o Universo. Como Ele mesmo explica no Capítulo Nove:

raja-vidya raja-guhyam
pavitram idam uttamam
pratyaksavagamam dharmyam
su-sukham kartum avyayam

1. O Senhor Supremo disse: Meu querido Arjuna, porque você não Me inveja, Eu transmito a você esta sabedoria que é a mais secreta, e ao conhecê-la se aliviará das misérias da existência material.

2. Este conhecimento é o rei da educação, o mais secreto de todos os segredos. É o conhecimento mais puro, e porque dá a percepção direta do eu mediante a iluminação, é a perfeição da religião. É eterno e se realiza alegremente.

O Bhagavad-gita é reconhecido mundialmente (e universalmente) como um dos Tesouros Supremos da literatura mundial. É a Palavra de Deus ao vivo e em cores. Como explicou nosso amado Srila Bhaktirakshaka Sridhar Deva Goswami Maharaj Paramahamsa Thakur Mahashaya: "O Tesouro Oculto do Doce Absoluto". Srila Bhaktivedanta Swami Maharaj Prabhupada Paramahamsa Thakur Mahashaya, o irmão querido de Srila Sridhar Maharaj, presenteou o mundo com este Tesouro maravilhoso em 1971 com o seu "Bhagavad-gita As It Is", editado em português no Brasil em 1976 como "O Bhagavad-gita Como Ele É", agora publicado em forma condensada na Internet como "Bhagavad-gita Como Ele É", também pela graça de Srila Prabhupada. (http://www.nitaigaura.com.br/gita_br.html).

O Bhagavad-gita é os ensinamentos de Krishna sobre o Amor Divino da devoção, que liberam todos os seres do cativeiro material e de toda ilusão, ignorância e sofrimento.

Citamos os quatro versos do Capítulo Dez "A Opulência do Absoluto" que são considerados o resumo do Gita:

Verso 8
aham sarvasya prabhavo
mattah sarvam pravartate
iti matva bhajante mam
budha bhava-samanvitah

8. Eu sou a fonte de todos os mundos materiais e espirituais. Tudo emana de Mim. Os sábios que sabem disto perfeitamente, dedicam-se a Meu serviço devocional e Me adoram com todo seu coração.

Iluminação de Srila Prabhupada:
"Um acadêmico erudito que estudou os Vedas perfeitamente e tem informação de autoridades como o Senhor Chaitanya, e sabe como aplicar esses ensinamentos, pode compreender que Krishna é a origem de tudo tanto no mundo material quanto no mundo espiritual, e porque sabe disso perfeitamente, fica fixo firmemente no serviço devocional ao Supremo Senhor. Ele nunca pode ser desviado por nenhuma quantidade de comentários absurdos ou por tolos. Toda literatura Védica concorda que Krishna é a fonte de Brahma, Shiva e todos os outros semideuses. O Atharva Veda (Gopala-tapani Upanishad 1.24) afirma, yo brahmanam vidadhati purvam yo vai vedams ca gapayati sma krsnah: "No princípio, foi Krishna quem instruiu Brahma sobre o conhecimento Védico e quem disseminou o conhecimento Védico no passado". O Narayana Upanishad (1) afirma ainda mais, atha puruso ha vai narayano 'kamayata prajah srjeyeti: "Então, a Suprema Personalidade Narayana desejou criar os seres vivos". Novamente, é dito, narayanad brahma jayate, narayanad prajapatih prajayate, narayanad indro jayate, narayanad astau vasavo jayante, narayanad ekadasa rudra jayante, narayanad dvadasadityah: "De Narayana, nasce Brahma, e de Narayana, os patriarcas também nascem. De Narayana, nasce Indra, de Narayana, os oito Vasus nascem, de Narayana, os onze Rudras nascem, de Narayana, os doze Adityas nascem".
Os mesmos Vedas afirmam, brahmanyo devaki-putrah: "O filho de Devaki, Krishna, é a Suprema Personalidade de Deus". (Narayana Upanishad 4). Também é dito:

eko vai narayana asin na brahma na isano napo nagni samau neme
dyav-aprthivi na naksatrani na suryah sa ekaki na ramate tasya
dhyanantah sthasya yatra chandogaih kriyamanastakadi-samjnaka
stuti-stomah stomam ucyate.

"No início da criação, havia somente a Suprema Personalidade Narayana. Não havia Brahma, nem Shiva, nem fogo, nem Lua, nem estrelas no céu, nem Sol. Havia somente Krishna, que cria tudo e desfruta tudo". (Maha Upanishad 1).
O Maha Upanishad afirma que o Senhor Shiva nasceu do mais alto, o Supremo Senhor Krishna, e os Vedas dizem que o Supremo Senhor, criador de Brahma e Shiva, que deve ser adorado. Krishna também diz no Moksha-dharma:

prajapatim ca rudram capy
aham eva srjami vai
tau hi mam na vijanito
mama maya-vimohitau

"Os patriarcas, Shiva e os outros são criados por Mim, apesar de não saberem que foram criados por Mim, pois estão iludidos por Minha energia ilusória". O Varaha Purana também afirma:

narayanah paro devas
tasmaj jatas caturmukhah
tasmad rudro 'bhavad devah
sa ca sarva-jnatam gatah

"Narayana é a Suprema Personalidade de Deus, Dele, Brahma nasceu, de quem Shiva nasceu".
O Senhor Krishna é a fonte de todas gerações, e Ele é chamado de a mais eficiente causa de tudo. Ele diz que porque "tudo nasce de Mim, Eu sou a fonte original de tudo. Tudo está sob Mim, ninguém está acima de Mim". Não há nenhum controlador supremo além de Krishna. A pessoa que entende Krishna dessa forma por meio do mestre espiritual autêntico e da literatura Védica, que dedica toda sua energia na Consciência de Krishna, torna-se uma verdadeira pessoa sábia. Só um tolo considera Krishna como um ser humano ordinário. Uma pessoa consciente de Krishna não deve se confundir por tolos, ela deve evitar todos comentários e interpretações não autorizadas do Bhagavad-gita e prosseguir na Consciência de Krishna com determinação e firmeza".

Verso 9
mac-citta mad-gata-prana
bodhayantah parasparam
kathayantas ca mam nityam
tusyanti ca ramanti ca

9. Os pensamentos de Meus devotos puros permanecem em Mim; suas vidas estão rendidas a Mim, e eles obtêm grande satisfação e bem-aventurança pois se iluminam uns aos outros e conversam sobre Mim.

Iluminação de Srila Prabhupada:
"Os devotos puros, cujas características se mencionam aqui, ocupam-se completamente no serviço transcendental carinhoso ao Senhor. Suas mentes não podem se afastar dos pés de lótus de Krishna. Suas práticas são unicamente sobre temas transcendentais. Os sintomas dos devotos puros se descrevem especificamente neste verso. Os devotos do Senhor Supremo se ocupam vinte e quatro horas por dia em glorificar os passatempos do Senhor Supremo. Seus corações e almas estão constantemente absortos em Krishna e se satisfazem em discutir sobre Ele com outros devotos.
Na etapa preliminar do serviço devocional, eles saboreiam o prazer transcendental do serviço em si, e na etapa madura se situam em realidade no amor a Deus. Uma vez situados nessa posição transcendental, podem saborear a perfeição mais elevada que o Senhor exibe em Sua morada. O Senhor Chaitanya compara o serviço devocional transcendental com a germinação de uma semente no coração da entidade vivente.
Há inumeráveis seres vivos que viajam pelos distintos planetas do universo, e entre todos eles, poucos são suficientemente afortunados para conhecer um devoto puro e receber a oportunidade de compreender o serviço devocional. Esse serviço devocional é exatamente como uma semente que se planta no coração de uma entidade vivente, e se ela continua o processo de ouvir e cantar: Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna Krishna, Hare Hare, Hare Rama, Hare Rama, Rama Rama, Hare Hare, essa semente frutifica, como a semente de uma árvore frutifica quando regada regularmente. A planta espiritual do serviço devocional continua a crescer regularmente até que ultrapassa a cobertura do universo material e entra no brilho brahmajyoti do céu espiritual.
Ali, essa planta também cresce mais e mais até que atinge o planeta mais elevado, que se chama Goloka Vrindavana, o planeta supremo de Krishna. Finalmente, a planta se refugia sob os pés de lótus de Krishna e descansa lá. Gradualmente, tal como uma planta dá frutos e flores, essa planta do serviço devocional também produz frutos, e o processo de regar continua na forma de cantar e ouvir. Essa planta do serviço devocional se descreve por completo no Chaitanya-charitamrita. Nele se explica que quando a planta inteira se refugia sob os pés de lótus do Senhor Supremo, a pessoa se absorve plenamente no amor a Deus; então, não pode viver nem sequer por um momento sem estar em contato com o Senhor Supremo, como um peixe não pode viver fora da água. Em tal estado de relação com o Senhor Supremo, o devoto obtém as qualidades transcendentais de verdade.
O Srimad Bhagavatam também é repleto dessas narrações sobre o relacionamento entre o Supremo Senhor e Seus devotos, portanto, o Srimad Bhagavatam é muito apreciado pelos devotos. Em Sua narração, não há nada sobre atividades materiais, prazer sensual ou liberação. O Srimad Bhagavatam é a única narração onde a natureza transcendental do Supremo Senhor e Seus devotos é plenamente descrita. Por isso, as almas realizadas na Consciência de Krishna têm prazer contínuo em ouvir tais literaturas transcendentais, do mesmo modo como um rapaz e uma moça jovens têm prazer em estarem juntos".

Verso 10
tesam satata-yuktanam
bhajatam priti-purvakam
dadami buddhi-yogam tam
yena mam upayanti te

10. Aos que estão constantemente consagrados a Mim e Me adoram com amor extático, Eu lhes dou a inteligência mediante a qual podem vir a Mim.

Iluminação de Srila Prabhupada:
"A palavra buddhi-yogam é muito significativa neste verso. Lembramos que no Capítulo Dois, nas instruções para Arjuna, o Senhor disse que falou sobre vários temas e que o instruiria sobre o caminho de buddhi-yoga. Agora, Ele explica buddhi-yoga. Buddhi-yoga em si é ação em Consciência de Krishna, que é a inteligência mais elevada. Buddhi significa inteligência, e yoga significa atividades místicas ou elevação mística. Quando a pessoa tenta voltar ao Lar, de volta ao Supremo, e se dedica plenamente à Consciência de Krishna com serviço devocional, sua ação se chama buddhi-yoga. Em outras palavras, buddhi-yoga é o processo pelo qual a pessoa se livra do enredamento deste mundo material. A meta última do progresso é Krishna. As pessoas não sabem disso, por isso, a companhia dos devotos e do mestre espiritual autêntico é muito importante. A pessoa tem que entender que o objetivo é Krishna, e quando o objetivo é estabelecido, o caminho então é lento mas atravessado progressivamente, e a meta última é alcançada.
Quando a pessoa conhece o objetivo da vida mas está apegada a atividades lucrativas, atua em karma-yoga. Quando sabe que o objetivo é Krishna, mas sente prazer na especulação mental para compreender Krishna, atua em jñana-yoga. E quando conhece o objetivo e procura Krishna plenamente em Consciência de Krishna e serviço devocional, atua em bhakti-yoga, ou buddhi-yoga, que é o yoga completo. Esse yoga completo é o estágio de perfeição mais elevado da vida.
A pessoa pode ter um mestre espiritual autêntico e pode estar apegada a alguma organização espiritual, ainda assim, se não for inteligente o suficiente para progredir, Krishna, dentro dela, dá instruções para que possa finalmente chegar até Ele sem dificuldade. A qualificação é que a pessoa deve sempre se dedicar à Consciência de Krishna e prestar todos tipos de serviço com amor e devoção. Ela deve realizar algum tipo de trabalho para Krishna, e esse trabalho deve ser com amor. Se o devoto for inteligente o bastante, fará progresso no caminho da auto-realização. Se a pessoa é sincera e devotada às atividades do serviço devocional, o Senhor lhe dá a chance de progredir e finalmente alcançá-Lo".

Verso 11
tesam evanukampartham
aham ajnana-jam tamah
nasayamy atma-bhavastho
jnana-dipena bhasvata

11. Devido à Minha intensa compaixão por eles, Eu que moro dentro de seus corações, destruo, com a brilhante lâmpada do conhecimento, a escuridão nascida da ignorância.

Iluminação de Srila Prabhupada:
"Quando Senhor Chaitanya estava em Benares na propagação do cantar de Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna Krishna, Hare Hare, Hare Rama, Hare Rama, Rama Rama, Hare Hare, milhares de pessoas O seguiam. Prakashananda, um acadêmico erudito muito influente e sábio de Benares naquela época, criticou o Senhor Chaitanya por ser um sentimentalista. Alguns filósofos criticam os devotos porque acham que a maioria dos devotos está na escuridão da ignorância e são filosoficamente sentimentalistas ingênuos. Na realidade, esse não é o caso. Há acadêmicos eruditos muito e muito sábios que explicaram a filosofia da devoção, mas mesmo se um devoto não aproveitar essa literatura ou a de seu mestre espiritual, se for sincero em seu serviço devocional, recebe ajuda do Senhor em pessoa dentro do seu coração. Por isso, o devoto sincero dedicado à Consciência de Krishna não pode ser sem conhecimento. A única qualificação é que a pessoa realize serviço devocional em Consciência de Krishna plena.
Os filósofos modernos pensam que não se pode ter conhecimento puro sem ajuda do discernimento. Para eles, o Senhor deu esta resposta: Aqueles que se ocupam no serviço devocional puro, ainda que careçam de suficiente educação, ou inclusive, não tenham suficiente conhecimento dos princípios Védicos, são ajudados pelo Deus Supremo, tal como se afirma neste verso.
O Senhor diz para Arjuna que basicamente não é possível compreender a Verdade Suprema, a Verdade Absoluta, a Suprema Personalidade de Deus, simplesmente por especulação, pois a Verdade Absoluta é tão grande que não é possível alcançá-La apenas com o esforço mental. A pessoa pode continuar a especular por muitos milhões de anos, mas se não for devota, se não for uma amante da Verdade Suprema, nunca compreenderá Krishna ou a Verdade Absoluta. A Verdade Suprema, Krishna, só fica satisfeita com o serviço devocional, e pode Se revelar no coração do devoto puro pela Sua energia inconcebível. O devoto puro sempre tem Krishna dentro do seu coração, por isso, ele é como o Sol que dissipa toda escuridão da ignorância. Essa é a misericórdia especial dada ao devoto puro por Krishna.
Por causa da contaminação da associação material durante muitos e muitos milhões de vidas, o coração da pessoa está sempre coberto com a poeira do materialismo, mas quando se ocupa no serviço devocional e canta constantemente Hare Krishna, a poeira é limpa rapidamente e a pessoa se eleva à plataforma do conhecimento puro. A meta última Vishnu só pode ser alcançada por esse canto e serviço devocional, não por especulação mental ou argumento. O devoto puro não precisa se preocupar com as necessidades da vida, não deve ficar ansioso porque quando remove a escuridão de seu coração, tudo é provido automaticamente pelo Supremo Senhor, pois Ele fica muito satisfeito com o serviço devocional amoroso do devoto. Essa é a essência dos ensinamentos do Gita. Com o estudo do Bhagavad-gita, a pessoa pode se tornar uma alma plenamente rendida ao Supremo Senhor e se dedicar ao serviço devocional puro. Quando o Senhor toma conta, a pessoa se torna plenamente livre de todos tipos de esforços materialistas".

-.-

"Bhagavad-gita Como Ele É" é a luz do conhecimento mais confidencial. A Verdade Absoluta ao alcance de todos, pela graça da grande personalidade Sri Srimad Bhaktivedanta Swami Maharaj Prabhupada, um companheiro querido eterno do Senhor que veio a este mundo, pela Vontade do Senhor, com a Missão de transmitir este Conhecimento Supremo ao mundo inteiro.

Vários outros grandes pensadores da humanidade também obtiveram inspiração do Bhagavad-gita, como Mahatma Gandhi, que disse:

"O Bhagavad-gita sempre foi uma fonte de consolo para mim. Em momentos quando não via mais nenhuma perspectiva consoladora no horizonte, abria o Gita e encontrava um verso que me dava novas esperanças".

Ralph Waldo Emerson disse:

"Devo um dia magnífico ao Bhagavad-gita; o primeiro dos livros; é como um império que nos fala; nada pequeno nem depreciativo, muito pelo contrário, majestoso, sereno, consistente, a voz de uma inteligência antiga que em outra época e clima examinou e resolveu as mesmas perguntas que nos movem hoje".

Wilhelm Von Humboldt disse:

"O mais profundo e elevado que o mundo pode nos mostrar. Agradeço a Deus por me permitir viver tanto tempo para que pudesse ler o Bhagavad-gita".

Arthur Schopenhauer, entre outros, disse:

"A leitura mais educativa e elevada que se pode encontrar neste mundo".

Nota do Tradutor:
O Mahabharata confirma que o Senhor Krishna falou o Bhagavad-gita para Arjuna na Batalha de Kuruksetra no ano 3137 antes de Cristo. Kali-yuga começa no ano 3102 a.C. segundo dados astrológicos Védicos.
A primeira edição inglesa do Bhagavad-gita foi em 1785 traduzida por Charles Wilkins em Londres, Inglaterra. Apenas 174 anos após a tradução da Bíblia pelo rei James em 1611. O Bhagavad-gita foi traduzido para o latim em 1823 por Schlegel, em alemão por Von Humbolt (1826), em francês por Lassens (1846), e foi traduzido para o grego em 1848 por Galanos.
Vários pensadores históricos como Albert Einstein, Mahatma Gandhi, Dr. Albert Schweitzer, Herman Hesse, R. W. Emerson, Henry Thoreau, T. S. Eliot, Aldous Huxley, Rudolph Steiner, Nikola Tesla, entre muitos outros, leram o Srimad Bhagavad-gita e se inspiraram em sua sabedoria infinita.

Bhaktivedanta Swami Prabhupada presenteou o mundo com esse "Tesouro Oculto do Doce Absoluto" em 1971, ou seja, "Bhagavad-gita As It Is". A Edição definitiva e genuína do Gita em sua plenitude, com seu significado claro iluminado pelo enviado pessoal do Senhor, Seu companheiro querido eterno. A primeira edição brasileira de "O Bhagavad-gita Como Ele É" foi em 1976.

-.-

Srila Prabhupada também explica no Srimad Bhagavatam, Primeiro Canto, Capítulo Quinze:

"Agora, sinto atração pelas instruções que a Suprema Personalidade de Deus (Govinda) me transmitiu porque estão repletas de ensinamentos para o alívio do ardor do coração em todas as circunstâncias de tempo e espaço".

Iluminação de Srila Prabhupada:
"Aqui, Arjuna se refere às instruções do Bhagavad-gita, que foram transmitidas a ele pelo Senhor no campo de batalha em Kurukshetra. O Senhor deixou os ensinamentos do Bhagavad-gita não somente para o benefício de Arjuna, mas também para todo tempo em todo lugar. O Bhagavad-gita, falado pela Suprema Personalidade de Deus, é a essência de toda sabedoria Védica. Foi muito bem apresentado pelo Senhor em pessoa para todos que têm pouco tempo para atravessarem a vastidão da literatura Védica como os Upanishads, Puranas e Vedanta-sutras. Foi colocado dentro do estudo do grande épico Mahabharata, que foi preparado especialmente para as classes de pessoas menos inteligentes como mulheres, trabalhadores e os descendentes indignos dos brâmanes, kshatriyas e setores elevados dos vaishyas. O problema que surgiu no coração de Arjuna no campo de batalha em Kurukshetra foi solucionado com os ensinamentos do Bhagavad-gita. Novamente, depois da partida do Senhor da visão das pessoas mundanas, quando Arjuna se deparou com a aniquilação de seu poder e proeminência adquiridos, quis lembrar de novo os grandes ensinamentos do Bhagavad-gita apenas para ensinar a todos aflitos que o Bhagavad-gita pode ser consultado em todos momentos críticos, não apenas para o consolo de todas agonias mentais, mas também como escapar dos grandes embaraços que podem complicar a pessoa numa hora crítica.
O Senhor misericordioso deixou Seus grandes ensinamentos do Bhagavad-gita para que a pessoa tenha as instruções do Senhor mesmo sem Ele estar visível para os olhos materiais. Os sentidos materiais não podem ter nenhuma estimativa sobre o Supremo Senhor, mas pelo Seu poder inconcebível, o Senhor pode encarnar pessoalmente para a percepção sensorial dos seres condicionados de forma adequada com a agência da matéria, que também é outra forma da energia manifesta do Senhor. Portanto, o Bhagavad-gita, ou qualquer outra representação sonora autêntica do Senhor, também é uma encarnação do Senhor. Qualquer pessoa pode obter o mesmo benefício do Bhagavad-gita que Arjuna obteve na presença pessoal do Senhor.
O ser humano sincero que deseja se liberar das garras da existência material pode aproveitar a vantagem do Bhagavad-gita com muita facilidade, pois com essa intenção, o Senhor instruiu Arjuna como se Arjuna precisasse disso. O Bhagavad-gita explica os cinco fatores mais importantes do conhecimento, (1) o Supremo Senhor, (2) o ser vivo, (3) natureza, (4) tempo e espaço, (5) o processo da atividade. Desses, o Supremo Senhor e o ser vivo são iguais em qualidade. A diferença entre os dois é analisada como a diferença entre o todo e a parte e parcela. Natureza é a matéria inerte que exibe a interação dos três modos diferentes, e tempo eterno e espaço ilimitado são considerados além da existência da natureza material. Atividades dos seres vivos são diferentes variedades de atitudes que prendem ou liberam o ser vivo dentro ou fora da natureza material. Todos esses assuntos são discutidos concisamente no Bhagavad-gita, e posteriormente, os assuntos são bem elaborados no Srimad Bhagavatam para a melhor compreensão. Desses cinco assuntos, o Supremo Senhor, o ser vivo, natureza e tempo e espaço são eternos, mas o ser vivo, natureza e tempo estão sob a direção do Supremo Senhor, que é absoluto e plenamente independente de qualquer controle. O Supremo Senhor é o supremo controlador. A atividade material do ser vivo é sem início, mas pode ser retificada pela transferência à realidade espiritual. Assim pode cessar suas reações materiais qualitativas. Tanto o Senhor como o ser vivo são cognitivos, e ambos têm o senso de identificação, por serem conscientes como uma força viva. Mas o ser vivo sob o condicionamento da natureza material, chamada mahat-tattva, se identifica de forma errada como diferente do Senhor. Todo o esquema da sabedoria Védica é direcionado para a erradicação desse conceito errado e assim liberar o ser vivo da ilusão da identificação material. Quando essa ilusão é erradicada pelo conhecimento e renúncia, os seres vivos viram atores e desfrutadores responsáveis também. O senso de desfrute com o Senhor é real, mas esse senso no ser vivo é apenas um tipo de desejo ansioso. Essa diferença de consciência é a distinção entre as duas identidades, o Senhor e o ser vivo. De outra forma, não há diferença entre o Senhor e o ser vivo. Portanto, o ser vivo é eternamente uno e diferente simultaneamente. Toda a instrução do Bhagavad-gita se baseia nesse princípio.
O Bhagavad-gita descreve tanto o Senhor como o ser vivo como sanatana, ou eterno, e o reino do Senhor, muito além do céu material, também é descrito como sanatana. O ser vivo é convidado a viver na existência sanatana do Senhor, e o processo que pode ajudar o ser vivo a se aproximar do reino do Senhor, onde se exibe a atividade liberada da alma, é chamado sanatana-dharma. Porém, ninguém pode alcançar a morada eterna do Senhor sem estar livre do conceito errado da identificação material, e o Bhagavad-gita nos dá a iluminação para alcançar esse estágio de perfeição. O processo de se liberar do conceito errado da identificação material se chama, em diferentes estágios, atividade lucrativa, conhecimento empírico e serviço devocional, até a realização transcendental. Tal realização transcendental só é possível com a dedicação de todos esses itens na relação com o Senhor. Os deveres prescritos do ser humano, como indicado nos Vedas, podem purificar gradualmente a mente pecaminosa da alma condicionada e elevá-la ao estágio do conhecimento. O estágio purificado da aquisição de conhecimento se torna a base do serviço devocional ao Senhor. Enquanto a pessoa está ocupada na pesquisa para a solução dos problemas da vida, seu conhecimento se chama jñana, ou conhecimento purificado, mas quando realiza a solução verdadeira da vida, a pessoa fica situada no serviço devocional ao Senhor. O Bhagavad-gita começa com os problemas da vida por diferenciar a alma dos elementos da matéria e provar com toda razão e argumento que a alma é indestrutível em todas circunstâncias, e que a cobertura externa da matéria, o corpo e a mente, muda para outro termo de existência material cheio de misérias. Por isso, o Bhagavad-gita se destina ao extermínio de todos diferentes tipos de miséria, e Arjuna se abrigou em Seu grande conhecimento, que foi dado a ele durante a batalha de Kurukshetra".

 

"Por causa dos passatempos e atividades do Senhor e por causa de Sua ausência, pareceu que Arjuna esqueceu as instruções deixadas pela Suprema Personalidade de Deus. Mas na verdade, não foi esse o caso, e ele se tornou novamente o senhor de seus sentidos".

Iluminação de Srila Prabhupada:
A alma condicionada fica presa em suas atividades lucrativas pela força do tempo eterno. Mas o Supremo Senhor, quando encarna na Terra, não é influenciado por kala, ou o conceito material de passado, presente e futuro. As atividades do Senhor são eternas, e são manifestações de Sua atma-maya, ou potência interna. Todos passatempos ou atividades do Senhor são de natureza espiritual, mas para o leigo, parecem estar no mesmo nível das atividades materiais. Assim, parecia que Arjuna e o Senhor estavam empenhados na batalha de Kurukshetra como o partido oposto também estava empenhado, mas na realidade, o Senhor executou Sua missão da encarnação e associação com Seu amigo eterno Arjuna. Por isso, tais atividades materiais aparentes de Arjuna não o tiraram de sua posição transcendental, pelo contrário, reviveram sua consciência sobre os cantos do Senhor, como Ele cantou pessoalmente. Esse restabelecimento da consciência é assegurado pelo Senhor no Bhagavad-gita (18.65):

Deve-se pensar no Senhor sempre, a mente nunca deve esquecê-Lo. Quem vive dessa forma se torna sem dúvida abençoado com as graças do Senhor por alcançar o abrigo de Seus pés de lótus. Não há nenhuma dúvida quanto a essa verdade absoluta. Porque Arjuna é Seu amigo confidencial, o segredo foi revelado a ele.

Arjuna não queria lutar contra seus parentes, mas lutou pela missão do Senhor. Ele estava sempre ocupado exclusivamente na realização da missão do Senhor, por isso que depois do desaparecimento do Senhor ele permaneceu na mesma posição transcendental, mesmo se pareceu que ele esqueceu todas instruções do Bhagavad-gita. Portanto, deve-se ajustar as atividades da vida no compasso da missão do Senhor, assim é certo que a pessoa voltará para o Lar, de volta ao Supremo. Essa é a perfeição mais elevada da vida".

"Como possuía qualidades espirituais, as dúvidas da dualidade foram erradicadas plenamente. Assim ele se livrou dos três modos da natureza material e se situou na transcendência. Não havia mais chance dele se enredar em nascimento e morte, pois estava livre da forma material".

Iluminação de Srila Prabhupada:
"Dúvidas da dualidade começam com o conceito errado do corpo material, aceito como o eu por pessoas menos inteligentes. A parte mais tola de nossa ignorância é nossa identificação deste corpo material com o eu. Tudo em relação ao corpo é aceito de forma ignorante como nossa propriedade. Dúvidas devido ao conceito errado de "eu" e "meu", em outras palavras, "meu corpo", "meus parentes", "minha propriedade", "minha esposa", "meus filhos", "minha riqueza", "meu país", "minha comunidade", e centenas de milhares de contemplações ilusórias similares, causam a confusão da alma condicionada. Quando a pessoa assimila as instruções do Bhagavad-gita, é certo que ficará livre dessa confusão porque o verdadeiro conhecimento é saber que a Suprema Personalidade de Deus, Vasudeva, Senhor Krishna, é tudo, inclusive o próprio eu. Tudo é uma manifestação de Sua potência como parte e parcela. A potência e o potente não são diferentes, assim o conceito de dualidade é mitigado imediatamente com a obtenção do conhecimento perfeito. Assim que Arjuna aceitou as instruções do Bhagavad-gita, especialista como era, pôde erradicar de imediato o conceito material sobre o Senhor Krishna, seu amigo eterno. Ele pôde realizar que o Senhor ainda estava presente perante ele por meio de Suas instruções, por Sua forma, por Seus passatempos, por Suas qualidades e tudo mais em relação a Ele. Ele pôde realizar que o Senhor Krishna, seu amigo, ainda estava presente perante ele por Sua presença transcendental nas diferentes energias não duais, e não havia necessidade de obter a associação do Senhor por outra troca de corpo sob a influência de tempo e espaço. Com a obtenção do conhecimento absoluto, a pessoa pode estar na companhia do Senhor constantemente, mesmo na vida presente, simplesmente por ouvir, cantar, lembrar e adorar o Supremo Senhor. A pessoa pode vê-Lo, pode sentir Sua presença mesmo na vida presente simplesmente por entender o Senhor adwaya-jñana, ou Senhor Absoluto, pelo processo do serviço devocional, que começa com ouvir sobre Ele. O Senhor Chaitanya afirma que simplesmente por cantar o Santo Nome do Senhor, a pessoa pode lavar de imediato a poeira do espelho da consciência pura, e logo que a poeira é removida, a pessoa se livra imediatamente de todos condicionamentos materiais. Livrar-se dos condicionamentos materiais significa liberar a alma. Portanto, assim que a pessoa se situa no conhecimento absoluto, seu conceito material é removido, ou ela emerge do conceito falso da vida. Assim a função da alma pura se revive na realização espiritual. Essa realização prática do ser vivo se torna possível por ele ficar livre da reação dos três modos da natureza material, a saber, bondade, paixão e ignorância. Pela graça do Senhor, um devoto puro se eleva de imediato ao local do Absoluto, e não há mais chance do devoto se enredar materialmente novamente na vida condicionada. A pessoa não é capaz de sentir a presença do Senhor em todas circunstâncias até que seja dotada com a visão transcendental necessária que só é possível pelo serviço devocional prescrito nas escrituras reveladas. Arjuna alcançou esse estágio muito antes do campo de batalha em Kurukshetra, e quando pareceu que sentiu a falta do Senhor, ele se abrigou de imediato nas instruções do Bhagavad-gita, assim foi colocado novamente em sua posição original. Essa é a posição vishoka, ou o estágio de estar livre de todo pesar e ansiedades".

Bhagavad-gita Capítulo 4

Conhecimento Transcendental

Verso 1
sri bhagavan uvaca
imam vivasvate yogam
proktavan aham avyayam
vivasvan manave praha
manur iksvakave 'bravit

Tradução
O bem-aventurado Senhor disse: Eu ensinei esta ciência imperecível do yoga ao deus do Sol, Vivasvan, e Vivasvan a ensinou para Manu, o pai da humanidade, e Manu por sua vez a ensinou para Iksvaku.

Iluminação de Srila Prabhupada:

Encontramos aqui a história do Bhagavad-gita traçada desde tempos remotos quando foi transmitido à classe real, os reis de todos planetas. A ciência se destina especialmente à proteção dos habitantes, por isso que a classe real deve entendê-la para que seja capaz de governar os cidadãos e protegê-los do cativeiro material da luxúria. A vida humana se destina ao cultivo do conhecimento espiritual, na relação eterna com a Suprema Personalidade de Deus, e os chefes executivos de todos estados e todos planetas são obrigados a transmitirem esta lição aos cidadãos por meio de educação, cultura e devoção. Em outras palavras, os chefes executivos de todos estados são destinados a propagarem a ciência da Consciência de Krishna para que as pessoas possam aproveitar esta grande ciência e seguirem um caminho bem sucedido, por utilizarem a oportunidade da forma humana de vida.

Neste milênio, o deus do Sol é conhecido como Vivasvan, o rei do Sol, que é a origem de todos planetas dentro do sistema solar. O Brahma-samhita (5.52) afirma:

yac-caksur esa savita sakala-grahanam
raja samasta-sura-murtir asesa-tejah
yasyajnaya bhramati sambhrta-kala-cakro
govindam adi-purusam tam aham bhajami

O senhor Brahma disse: "Que eu adore a Suprema Personalidade de Deus, Govinda (Krishna), que é a pessoa original e por cuja ordem, o Sol, que é o rei de todos planetas, assume imenso poder e calor. O Sol representa o olho do Senhor e percorre sua órbita em obediência à ordem Dele".

O Sol é o rei de todos planetas, e o deus do Sol (chamado Vivasvan no presente) governa o planeta Sol, que controla todos os outros planetas com o suprimento de calor e luz. Ele gira sob a ordem de Krishna, e o Senhor Krishna originalmente tornou Vivasvan Seu primeiro discípulo no entendimento da ciência do Bhagavad-gita. O Gita, portanto, não é um tratado especulativo para o acadêmico mundano insignificante mas um livro padrão de conhecimento que vem desde tempo imemorável.

No Mahabharata (Shanti-parva 348.51-52), podemos traçar a história do Gita como se segue:

treta-yugadau ca tato
vivasvan manave dadau
manus ca loka-bhrty-artham
sutayeksvakave dadau

iksvakuna ca kathito
vyapya lokan avasthitah

"No início de Treta-yuga (milênio), esta ciência da relação com o Supremo foi transmitida por Vivasvan a Manu. Manu, o pai da humanidade, transmitiu-a a seu filho Maharaja Iksvaku, o rei deste planeta Terra e patriarca da dinastia Raghu, na qual o Senhor Ramachandra apareceu". Portanto, o Bhagavad-gita existe na sociedade humana desde o tempo de Maharaja Iksvaku.

No momento presente, passamos justamente cinco mil anos de Kali-yuga, que dura 432.000 anos. Antes desta, foi Dwapara-yuga (800.000 anos), e antes foi Treta-yuga (1.200.000 anos). Assim, por volta de 2.005.000 anos atrás, Manu falou o Bhagavad-gita a seu discípulo e filho Maharaja Iksvaku, o rei do planeta Terra. A idade do Manu atual é calculada com uma duração aproximada de 305.300.000 de anos, dos quais já passaram 120.400.000 anos. Se aceitarmos o fato de que antes do nascimento de Manu, o Gita foi falado pelo Senhor a Seu discípulo o deus do Sol Vivasvan, o Gita foi falado numa estimativa aproximada pelo menos 120.400.000 de anos atrás; e existe na sociedade humana há dois milhões de anos. Foi falado pelo Senhor novamente para Arjuna cerca de cinco mil anos atrás. Essa é a estimativa aproximada da história do Gita, de acordo com o próprio Gita e de acordo com a versão do orador, o Senhor Sri Krishna. Foi falado ao deus do Sol Vivasvan porque ele também é um kshatriya e é o pai de todos kshatriyas que são descendentes do deus do Sol, ou os kshatriyas surya-vamsha. Porque o Bhagavad-gita é tão bom quanto os Vedas, pois é falado pela Suprema Personalidade de Deus, seu conhecimento é apaurusheya, sobre-humano. Como as instruções Védicas são aceitas como elas são, sem interpretação humana, o Gita deve portanto ser aceito sem interpretação mundana. Os argumentadores mundanos podem especular sobre o Gita de várias formas, mas isso não é o Bhagavad-gita como ele é. Por conseguinte, o Bhagavad-gita tem que ser aceito como ele é, através da sucessão discipular, e aqui é descrito que o Senhor falou para o deus do Sol, o deus do Sol falou para seu filho Manu, e Manu falou para seu filho Iksvaku.

Verso 2
evam parampara-praptam
imam rajarsayo viduh
sa kaleneha mahata
yogo nastah parantapa

Tradução
Esta ciência suprema foi assim recebida através da corrente de sucessão discipular, e os reis santos a compreenderam dessa forma. Mas no curso do tempo, a sucessão foi quebrada, e por isso a ciência como ela é pareceu estar perdida.

Iluminação de Srila Prabhupada:

É claramente afirmado que o Gita era destinado especialmente aos reis santos porque eles tinham que executar seu propósito no governo sobre os cidadãos. Com certeza, o Bhagavad-gita não se destina a pessoas demoníacas, que dissipam seu valor para benefício de ninguém e que imaginam todos tipos de interpretações de acordo com caprichos pessoais. Logo quando o propósito original foi disperso pelos motivos dos comentadores inescrupulosos, surgiu a necessidade de restabelecer a sucessão discipular. O Senhor em pessoa detectou cinco mil anos atrás que a sucessão discipular estava quebrada, e por isso Ele declarou que o propósito do Gita parecia estar perdido. Do mesmo modo, hoje em dia, também existem muitas edições do Gita (especialmente em inglês), mas quase todas elas não estão de acordo com a sucessão discipular autorizada. Existem inumeráveis interpretações dadas por muitos acadêmicos mundanos, mas quase todos não aceitam a Suprema Personalidade de Deus, Krishna, apesar de fazerem bons negócios com as palavras de Sri Krishna. Esse espírito é demoníaco, porque demônios não acreditam em Deus porém simplesmente desfrutam a propriedade do Supremo. Como há uma grande necessidade de uma edição do Gita em inglês, como foi recebido pelo sistema parampara (sucessão discipular), aqui se faz uma tentativa de satisfazer essa grande demanda. Bhagavad-gita, aceito como ele é, é uma grande bênção para a humanidade; mas se for aceito como um tratado de especulações filosóficas, é simplesmente uma perda de tempo.

Verso 3
sa evayam maya te 'dya
yogah proktah puratanah
bhakto 'si me sakha ceti
rahasyam hy etad uttamam

Tradução
Esta mesma ciência milenar do relacionamento com o Supremo hoje é revelada por Mim a você porque você é Meu devoto bem como Meu amigo; por isso pode entender o mistério transcendental desta ciência.

Iluminação de Srila Prabhupada:

Existem duas classes de pessoas, chamadas devoto e demônio. O Senhor escolheu Arjuna como recipiente desta grande ciência por ele ser um devoto do Senhor, mas para o demônio não é possível entender esta grande ciência misteriosa. Existe um número de edições deste grande livro de conhecimento, e algumas delas têm comentários dos devotos e outras têm comentários dos demônios. Comentário de devotos é real, enquanto do demônio é inútil. Arjuna aceita Sri Krishna como a Suprema Personalidade de Deus, e qualquer comentário do Gita que segue os passos de Arjuna é serviço devocional real para a causa desta grande ciência. O demoníaco, entretanto, inventa algo a respeito de Krishna e desvia o público e os leitores em geral do caminho das instruções de Krishna. A pessoa deve tentar seguir a sucessão discipular de Arjuna, e assim receber o benefício.

 

-.-

 

 

 

 

_._

 

 

Todas as Glórias a Sri Guru e Sri Gauranga

Nitai Gaura Hari Bol

Bhagavad-gita - Introdução

(Srila Bhaktivedanta Swami Maharaj Prabhupada)

 

Iluminação de Srila Prabhupada:

 

...

 

O Supremo Senhor possui diversas e inumeráveis energias que estão além de nossa concepção; porém, grandes sábios eruditos ou almas liberadas estudaram essas energias e as analisaram em três partes. Todas energias pertencem a vishnu-shakti, significa que são diferentes potências do Senhor Vishnu. Essa energia é para, transcendental. Os seres vivos também pertencem à energia superior, como já explicamos. As outras energias, ou energias materiais, estão no modo da ignorância. Na hora da morte, podemos permanecer na energia inferior deste mundo material, ou nos transferir para a energia do mundo espiritual.

Na vida nos acostumamos a pensar ou na energia material ou na espiritual. Existem tantas literaturas que enchem nossos pensamentos com a energia material, jornais, revistas, romances, etc.. Nosso pensamento, que está absorto nessas literaturas agora, tem que ser transferido para as literaturas Védicas. Por isso que os grandes sábios escreveram tantas literaturas Védicas como os Puranas, etc.. Os Puranas não são imaginários, são registros históricos. Tem o seguinte verso no Sri Chaitanya Charitamrita (Madhya 20.122):

maya-mugdha jivera nahi svatah krsna-jnana
jivere krpaya kaila krsna veda-purana

Os seres vivos esquecidos ou almas condicionadas esqueceram sua relação com o Supremo Senhor, e estão absortas no pensamento de atividades materiais. Krishna-dwaipayana Vyasa justamente para transferir o poder de pensar deles para o céu espiritual concedeu um grande número de literaturas Védicas. Primeiro, ele dividiu os Vedas em quatro, depois explicou os Puranas, e escreveu o Mahabharata para as pessoas com menos capacidade intelectual. O Bhagavad-gita está dentro do Mahabharata. Depois, toda literatura Védica foi resumida no Vedanta-sutra, e para a orientação futura ele concedeu o comentário natural sobre o Vedanta-sutra, chamado Srimad Bhagavatam. Devemos sempre ocupar nossas mentes na leitura dessas literaturas Védicas. Da mesma forma como materialistas ocupam suas mentes na leitura de jornais, revistas e tantas literaturas materialistas, devemos transferir nossa leitura para essas literaturas que nos foram presenteadas por Vyasadeva; assim será possível para nós lembrarmos o Supremo Senhor na hora da morte. Esse é o único caminho sugerido pelo Senhor, e Ele garante o resultado: "Não há dúvida".

tasmat sarvesu kalesu
mam anusmara yudhya ca
mayy arpita-mano-buddhir
mam evaisyasy asamsayah

"Portanto, Arjuna, você deve pensar sempre em Mim, e ao mesmo tempo deve continuar seu dever prescrito e lutar. Com sua mente e atividades sempre fixas em Mim e com tudo dedicado a Mim, você Me alcançará sem nenhuma dúvida" (Bg. 8.7).

Ele não aconselha Arjuna a pensar sempre Nele e abandonar sua ocupação. Não, o Senhor nunca sugere nada impraticável. Neste mundo material, a pessoa tem que trabalhar para manter o corpo. A sociedade humana é dividida em quatro ordens sociais de acordo com o trabalho, brahmana, kshatriya, vaishya e shudra. A classe brahmana ou classe inteligente trabalha de uma forma, a classe kshatriya ou administrativa trabalha de outra forma, e a classe mercantil e os empregados todos tendem a seus deveres específicos. Na sociedade humana, seja empregado, comerciante, guerreiro, administrador, fazendeiro, ou mesmo se pertencer à classe mais alta e for um erudito, cientista ou teólogo, tem que trabalhar para manter sua existência. Por isso que o Senhor diz para Arjuna que não precisa abandonar sua ocupação, mas quando estiver dedicado à sua ocupação, tem que lembrar Krishna (mam anusmara). Se não praticar a lembrança de Krishna enquanto luta pela existência, não será possível lembrar Krishna na hora da morte. O Senhor Chaitanya também faz o mesmo aviso. Ele afirma, kirtaniyah sada harih, a pessoa tem que praticar a lembrança do Senhor por cantar os nomes do Senhor sempre. Os nomes do Senhor e o Senhor não são diferentes. Assim, a instrução do Senhor Krishna para Arjuna "lembre-se de Mim" e a instrução do Senhor Chaitanya para "sempre cantar os nomes do Senhor Krishna" são a mesma instrução. Não tem diferença, porque Krishna e o nome de Krishna não são diferentes. No status absoluto não tem diferença entre referência e referido. Por isso que temos de praticar a lembrança do Senhor sempre, vinte e quatro horas por dia, por cantar Seus nomes e modificar as atividades de nossa vida de modo que possamos lembrá-Lo sempre.

Como isso é possível? Os acharyas dão o seguinte exemplo. Se uma mulher casada tiver atração por outro homem, ou se um homem tiver atração por uma mulher que não é sua esposa, essa atração é considerada muito forte. A pessoa que tem essa atração sempre pensa no seu amado. A esposa que pensa no seu amante sempre imagina como encontrá-lo, mesmo quando cuida dos assuntos de seu esposo. De fato, ela faz seu dever de casa com mais cuidado ainda para que seu esposo não suspeite de sua atração. Similarmente, devemos sempre lembrar nosso amante supremo, Sri Krishna, e ao mesmo tempo realizar nossos deveres materiais muito bem. Aqui se requer um grande senso de amor. Se tivermos um grande senso de amor pelo Supremo Senhor, assim poderemos cumprir nosso dever e ao mesmo tempo nos lembrar Dele. Mas precisamos desenvolver esse senso de amor. Arjuna, por exemplo, pensava sempre em Krishna, ele era um companheiro constante de Krishna, e ao mesmo tempo era um guerreiro. Krishna não o aconselhou a abandonar a luta e ir para a floresta meditar. Quando o Senhor Krishna descreveu o sistema de yoga para Arjuna, Arjuna disse que a prática desse sistema não era possível para ele.

arjuna uvaca
yo 'yam yogas tvaya proktah
samyena madhusudana
etasyaham na pasyami
cancalatvat sthitim sthiram

"Arjuna disse. Ó Madhusudana, o sistema de yoga que Você resumiu parece impossível e insuportável para mim, porque minha mente é inquieta e instável" (Bg. 6.33)
Mas o Senhor disse:

yoginam api sarvesam
mad-gatenantaratmana
sraddhavan bhajate yo mam
sa me yuktatamo matah

"De todos yogis, aquele que sempre se abriga em Mim com muita fé e Me adora com serviço devocional transcendental, está unido a Mim em yoga com mais intimidade, e é o mais elevado de todos" (Bg. 6.47). Portanto, aquele que pensa sempre no Supremo Senhor é o yogi mais elevado, o maior jñani e o melhor devoto ao mesmo tempo. O Senhor diz ainda mais para Arjuna que como um kshatriya ele não pode abandonar a luta, mas se Arjuna lutar com a lembrança em Krishna, então será capaz de lembrá-Lo na hora da morte. Porém, a pessoa tem que estar plenamente rendida em serviço devocional transcendental ao Senhor.

Na realidade, nós não trabalhamos com nosso corpo, mas com nossa mente e inteligência. Assim se a inteligência e a mente estiverem sempre dedicadas ao pensamento do Supremo Senhor, então naturalmente os sentidos também estarão dedicados a Seu serviço. Superficialmente, pelo menos, as atividades dos sentidos permanecem a mesma, mas a consciência muda. O Bhagavad-gita ensina a pessoa como absorver a mente e a inteligência no pensamento do Senhor. Tal absorção capacitará a pessoa a se transferir para o reino do Senhor. Se a mente estiver dedicada ao serviço de Krishna, então os sentidos automaticamente estarão dedicados a Seu serviço. Essa é a arte, e esse é também o segredo do Bhagavad-gita, absorção total no pensamento de Krishna.

O homem moderno fez um grande esforço para alcançar a Lua, mas não tentou com muito empenho se elevar espiritualmente. Se a pessoa tiver mais cinqüenta anos de vida, deve dedicar esse tempo curto ao cultivo dessa prática de lembrar a Suprema Personalidade de Deus. Essa prática é o processo devocional de (Bhag. 7.5.23):

sravanam kirtanam visnoh
smaranam pada-sevanam
arcanam vandanam dasyam
sakhyam atma-nivedanam

Esses nove processos, dos quais o mais fácil é sravanam, ouvir o Bhagavad-gita da pessoa realizada, mudarão a pessoa para o pensamento no Ser Supremo. Isso conduzirá a nishchala, lembrança do Supremo Senhor, e capacitará a pessoa, quando deixar o corpo, a obter um corpo espiritual que é adequado para a companhia do Supremo Senhor.

O Senhor afirma ainda mais:

abhyasa-yoga-yuktena
cetasa nanya-gamina
paramam purusam divyam
yati parthanucintayan

"A prática dessa lembrança, sem se desviar, com o pensamento sempre no Deus Supremo, fará com certeza que a pessoa alcance o planeta do Divino, a Suprema Personalidade, ó filho de Kunti (Bg. 8.8).

Não é um processo difícil. Porém, temos que aprendê-lo com uma pessoa experiente, com quem já está na prática. A mente sempre voa daqui para lá, mas a pessoa tem sempre que praticar a concentração da mente na forma do Supremo Senhor, Sri Krishna, ou no som de Seu nome. A mente é naturalmente inquieta, vai de lá para cá, mas pode acalmar com a vibração sonora de Krishna. Assim, a pessoa deve meditar em paramam purusham, a Pessoa Suprema, e então alcançá-La. Os caminhos e os meios para a realização suprema, o ganho supremo, são dados no Bhagavad-gita, e as portas deste conhecimento estão abertas para todos. Ninguém é barrado. Todas as classes de pessoas podem se aproximar do Senhor por meio da lembrança Dele, porque ouvir e pensar Nele é possível para todos.

O Senhor afirma mais ainda (Bg. 9.32-33):

mam hi partha vyapasritya
ye 'pi syuh papa-yonayah
striyo vaisyas tatha sudras
te 'pi yanti param gatim

kim punar brahmanah punya
bhakta rajarsayas tatha
anityam asukham lokam
imam prapya bhajasva mam

"Ó filho de Pritha, qualquer pessoa que se abrigue em Mim, seja uma mulher, ou um comerciante, ou nascida numa família inferior, mesmo assim pode se aproximar do destino supremo. Quanto mais elevados então são os brahmanas, os piedosos, os devotos e os reis santos! Neste mundo de sofrimento, eles estão fixos no serviço devocional ao Senhor".

Seres humanos mesmo nos status de vida inferiores (um comerciante, uma mulher ou um empregado) podem alcançar o Supremo. A pessoa não precisa ter uma inteligência altamente desenvolvida. O ponto é que qualquer pessoa que aceita o princípio de bhakti-yoga e aceita o Supremo Senhor como benefício máximo da vida, como a meta mais elevada, o objetivo último, pode se aproximar do Senhor no céu espiritual. Se a pessoa adota os princípios enunciados no Bhagavad-gita, pode tornar sua vida perfeita e realizar uma solução perfeita para todos problemas da vida que surgem da natureza transitória da existência material. Esse é o teor e a essência do Bhagavad-gita inteiro.

Em conclusão, o Bhagavad-gita é uma literatura transcendental que a pessoa deve ler com muito cuidado. Ele é capaz de salvar a pessoa de todo medo.

nehabhikrama-naso 'sti pratyavayo na vidyate
svalpam apy asya dharmasya trayate mahato bhayat

"Neste esforço não existe perda nem diminuição, e um pequeno avanço neste caminho pode proteger a pessoa do mais perigoso tipo de medo" (Bg. 2.40). Se a pessoa ler o Bhagavad-gita sinceramente e seriamente, todas as reações de seus maus feitos passados não reagirão contra ela. O Senhor Sri Krishna proclama na última parte do Bhagavad-gita (18.66):

sarva-dharman parityajya
mam ekam saranam vraja
aham tvam sarva-papebhyo
moksayisyami ma sucah

"Abandone todos tipos de religião, e apenas se renda a Mim. Porque em troca Eu vou protegê-lo de todas reações pecaminosas. Portanto, você não tem nada a temer". Assim o Senhor assume toda a responsabilidade por qualquer pessoa que se rende e Ele, e Ele indeniza todas reações de pecado.

A pessoa se limpa diariamente por tomar banho com água, mas quem se banha pelo menos uma vez na água sagrada do Ganges do Bhagavad-gita limpa para sempre toda a sujeira da vida material. Porque o Bhagavad-gita foi falado pessoalmente pela Suprema Personalidade de Deus, ninguém precisa ler qualquer outra literatura Védica. A pessoa só precisa ouvir com atenção e regularmente o Bhagavad-gita. Na era atual, a humanidade está tão absorta em atividades mundanas que não é possível ler todas literaturas Védicas. Mas isso não é necessário. Este único livro, Bhagavad-gita, é suficiente porque é a essência de todas literaturas Védicas e porque foi falado pela Suprema Personalidade de Deus. É dito que quem bebe as águas do Ganges obtém a salvação com certeza, o que falar então de alguém que bebe as águas do Bhagavad-gita? O Gita é o próprio néctar do Mahabharata falado pelo próprio Vishnu, porque o Senhor Krishna é o Vishnu original. É néctar que emana da boca da Suprema Personalidade de Deus, e é dito que o Ganges emana dos pés de lótus do Senhor. Claro que não há diferença entre a boca e os pés do Supremo Senhor, mas na nossa posição podemos apreciar que o Bhagavad-gita é mesmo mais importante do que o Ganges.

O Bhagavad-gita é como uma vaca, e o Senhor Krishna, que é um menino pastor de vacas, ordenha esta vaca. O leite é a essência dos Vedas, e Arjuna é como se fosse o bezerro. As pessoas inteligentes, os grandes sábios e devotos puros, querem beber o leite nectáreo do Bhagavad-gita.

Nos dias de hoje, as pessoas anseiam em ter uma escritura, um Deus, uma religião, e uma ocupação. Assim, que haja uma escritura comum para o mundo inteiro, Bhagavad-gita. E que haja apenas um Deus para o mundo inteiro, Sri Krishna. E apenas um mantra, Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna Krishna, Hare Hare. Hare Rama, Hare Rama, Rama Rama, Hare Hare. E que haja apenas um trabalho, o serviço à Suprema Personalidade de Deus.

 

...

 

 

_._

 

 

"Bhagavad-gita Como Ele É"

 

Índice do Bhagavad-gita

Índice de Livros

Desde 18/julho/2000

(Última Edição: 08-mai-2016 )

home

+Visvavandya Dasa Sobre o Bhagavad-gita